As Plantas e a Medicina

Chás Medicinais

Fonte de Saúde e Longevidade. Benefícios dos Chás Medicinais

O hábito de tomar chá  traz benefícios impressionantes para saúde. Não existirão muitos a dizer o contrário.

Encontramos registros do uso de plantas medicinais, como forma de medicamento, em todas as épocas. Em 1500 a.C já registravam o uso de plantas medicinais. Na antiga civilização egípcia esses registos eram chamados de Papiro de Ebers.

Existem milhares de espécies de plantas com inúmeras propriedades medicinais.

As plantas por si só, têm um papel fundamental na saúde directa dos seres vivos. Filtro natural do dióxido de carbono, devolve oxigênio e como é sabido pela ciência, grande parte do oxigénio que consumimos é proveniente das algas, as plantas têm também um papel muito penetrante, que resultam em  factores ambientais pelo qual o papel das plantas são incontornáveis em todo o equilíbrio natural do planeta e da vida.

Na alimentação, as plantas são responsáveis por grande parte da qualidade nutritiva que dispomos na natureza. Quase tudo o que comemos vêm directa ou indirectamente das plantas, na medida em que elas estão na base ou no início do ciclo alimentar de todos os animais. Já pensou nisso?

Então porque a eficácia das plantas medicinais na cura de alguns problemas , custa assim tanto aceitar?

Desde que a indústria farmacêutica se tornou numa estrutura gigante de produção massiva de soluções não menos eficazes e em vários casos até mais eficaz, do que aquilo que as plantas fariam por nós, não nos podemos desviar do facto de que, as plantas estão na base de milhares de soluções farmacêuticas.

Os compostos activos das plantas são então processados em laboratório, no sentido de potencializar e concentrar o seus efeitos, através da quantidade activa presente numa pequena cápsula. Contudo para a maior parte dos problemas de gravidade leve ou moderado, tal como acontecia nos nossos antepassados, eram resolvidos apenas com infusões, chás ou outras formas de ingestão de plantas naturais. A questão sempre esteve clara, mas a ciência deixou de apoiar o estudo do consumo das plantas na sua forma natural, pelas razões que bem entendemos e associados a vários factores sociais, económicos de maior importância nos dias de hoje.

Escolher, dependendo da gravidade do diagnóstico, uma alternativa natural para resolução dos nossos problemas, está cada vez mais no centro da discussão popular!

Com um maior acesso à informação, estamos lentamente a recuperar a credibilidade do papel das plantas medicinais no nosso quotidiano. Hoje sabemos que por via da internet, conseguimos reunir milhares de testemunhos, confirmando a eficácia de vários tratamentos naturais por via das plantas, o que resulta de forma significativa, numa amostra muito representativa, ainda que popular, de milhares de casos, à semelhança da ciência, nos seus processos de estudo, controlo de eficácia e efeitos adversos, no processo de colocação de um medicamento no mercado. Apesar de tudo isto, é importante ainda falar sobre suplementos alimentares.

Os Suplementos Alimentares não são medicamentos. Os suplementos alimentares são géneros alimentícios que se destinam a complementar  um regime alimentar. Fontes concentradas de nutrientes, ou de outras substâncias com efeito nutricional, consumidas de forma individualmente ou combinadas, e processados em laboratórios sob a forma de doses, em capsulas ou outros métodos ainda.

Aqui destacamos a diferença entre um produto natural, e um resultado composto em forma de suplemento. No caso do produto natural em estado original (planta), este não é sujeito a processos, e por conseguinte, sem nenhum manipulação, legal ou não, regulado ou não, o resultado é "NATURAL!" Então fará sentido continuarmos a chamar a produtos fitoterapêuticos, ou suplementos alimentares, de produtos naturais?

Concluindo, e na defesa das plantas naturais em forma de chá ou infusão, a nossa consciência deve estar sempre alerta para os perigos.

Temos que aprender a respeitar as ervas medicinais, e saber como as podemos consumir. Nunca é demais sublinhar a importância de não misturar formas de tratamento, e muito menos consumir chás de ervas medicinais, com outros fármacos.

“Antigamente as plantas eram muito respeitadas e só se usavam mesmo quando se precisava. Hoje toma-se o chá das cinco e há cada vez mais chás com misturas de plantas”, que podem tornar este ritual menos saudável ou menos eficaz ... Maria da Graça Campos, da Universidade de Coimbra. Fonte: Observador.pt

Deixamos esta reflexão à consideração do leitor.


As informações disponibilizadas no www.chasmedicinais.pt são para fins estritamente informativos e educativos, de pesquisa pessoal. Não deve ser utilizado em nenhuma circunstância, como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem consulta prévia de um profissional de saúde. Bem vindo(a)!